sábado, 4 de junho de 2011

Be an animal


Quando a Pipi criou o blog o seu principal objectivo era (e continua a ser) a sátira de alguma pérolas que vão sendo escritas na blogosfera. Desde o início muitas coisas se passaram: vernizes, sapatos, dietas, flatulência, diálogos de filhos, de namorados, perspectivas políticas distorcidas, ameaças de processos, dores insuportáveis que afinal não são tanto assim, depilação, pedicure, "o meu namorado é o melhor do mundo", pessoas que sabem tudo, erros ortográficos, enfim, uma sem número de assuntos com os quais a Pipi se diverte. Sim, diversão, porque, se uma pessoa escrever algo desprovido de qualquer lógica e se anda muita gente com falta de dois dedos de testa, isso origina um post, um ou outro comentário e siga para bingo. A pipi esquece, os autores esquecem, toda a gente esquece. O planeta continua a girar.
O que a Pipi não está - nem nunca há-de estar! - disposta a compactuar é com duplas cobardias. Violentar alguém é crime, há entidades responsáveis para julgar e punir os autores e a Pipi sabe o seu lugar, não lhe cabe a ela o julgamento. A tentativa de satirizar o post original não foi bem conseguida, a Pipi lamenta, mas convenhamos, era difícil.

Acontece que a Pipi não consegue ficar indiferente à conveniência da falta de memória e não consegue deixar de ficar chocada com o segundo passo da cobardia: o relato da situação num blog, expondo assim a vitima, avivando algo que, certamente, quer esquecer. Tudo isto seguido de uma música qualquer ou do relato de um furo num pneu.

Expor assim alguém, mesmo que seja escondido por um nome abreviado (quem acompanha o blog sabe perfeitamente quem é a pessoa alvo das agressões), é cruel e mostra que o autor ainda não está consciente da tamanha filha da putice que fez. Enviar esse mesmo post para um blog colectivo a propósito de uma rubrica chamada "Os problemas resolvem-se à chapada" mostra novamente um enorme desrespeito pela visada (once again!!! com 3 pontos de exclamação e tudo, como tu gostas). E, mais uma vez, a desculpa, a desculpa esfarrapada do "apaguei". Quão conveniente, quão fácil de desculpar. E o motivo: ela usou a toalha dele. Quem nunca andou à chapada em casa por causa de uma toalha? Ainda hoje a Pipi o fez. Três vezes. E meia. E o acalmar, tentando agarrar os braços da vitima. Toda a gente agarra toda a gente a meio de discussões. É necessário, pois claro, ainda mais se nos preparamos para a esmurrar. Um santo, que apenas se defendeu de um estalo, coitado, quando ia tentar acalmar a companheira com um agarrar de braços, coisa normalíssima. Deixem lá o homem em paz, não é, Pequena Lynce. Toda a gente tem o direito ao seu momento "esmurrar outro ser humano que não tem força para se defender de tal", pois claro.

Eliminar posteriormente o post original, na esperança (?) de que com isso o seu acto seja esquecido e as suas caixas de comentários voltem ao "é assim mesmo querido", "gosto tanto do que escreves" ou "és tão sensível", mostra uma falta de carácter gritante. Não quer isto dizer que a Pipi está contra o facto de o post ter sido eliminado. A Pipi não percebe, e perde anos de vida, com o facto de ele ter chegado a existir.

Finalizando, já que o autor não o faz, a Pipi pede desculpa e mostra solidariedade a todas as pessoas que sofrem qualquer tipo de violência e que, como cereja no topo do bolo, ainda a vêem retratada num qualquer blog. O problema não é vosso, é deles.

31 comentários:

Anónimo disse...

Aplausos.

Helena disse...

caraças, gostava de ter lido o post original...

Manuel disse...

É assim mesmo. Sublinho e assino por baixo.

Um blogue com muitas visitas tem, igualmente, um papel importante no "alterar de mentalidades". Não é função do autor, mas se o fizer, para melhor, óptimo.

Bom serviço!

Susana Gatita disse...

O teu melhor post! Gostei!

Mie disse...

Clap clap clap para a Pipi.

ophelia disse...

tu tás lá, ó polo sul

J* disse...

Pipi, com eles no sítio. Since ever.

Anónimo disse...

Sigo-te desde o início e foi sem dúvida o teu melhor post!

Anónimo disse...

Pipi, sem querer de todo retirar qualquer originalidade ao post, foi tudo o que pensei quando confrontada com aquele relato. A pipi é Gente, lamento é que animais como esse andem por aí à solta!

Ana disse...

cobarde nas duas situações. na altura e agora a apagar.

so gostava de ter um print disso.

Stiletto disse...

Está tudo dito.

Anónimo disse...

É isso mesmo, Pipi.

É absolutamente nojenta a forma como ele teve a lata de contar um acto selvagem e repugnante daqueles num registo tão auto-indulgente.

E há-de haver sempre uma idiota a pôr-se a jeito para ser a seguinte.

Maria.

Anónimo disse...

É lamentável que ainda haja pessoas que não sabem o significado de ironia! Um dos melhores posts que li da pipi que nem seria necessário se não houvesse linces de cérebros de caracol para distinguir entre estalo e espancamento! A prova é que o animal retirou o post e não acredito que seja pessoa de ter emenda...a não ser que arranje alguém que lhe vá aos dentes sem precisar de fumar primeiro! Se vivemos na lei da selva é por causa de animais como ele que não sabem respeitar o outro.. são selvagens e o lugar deles deveria ser aí mesmo! Criatura nojenta! Vem agora com músicas e palavrinhas mansas.. pode ser que a lince seja a próxima a levar uns estalos!

Anónimo disse...

Aplausos de pé Pipi sem duvida alguma o melhor post de sempre.

Assinado a mesma de sempre :)

Charlotte disse...

Eu acompanhei tudo, mas juro que quando li o post dele marcado com a imagem "Fábrica das Letras" pensei que aquilo era apenas um exercício de escrita criativa. Hoje de manhã disseram-me que não, que ele tinha dito lá pelos comentários que aquilo tinha realmente acontecido e que tinha sido ele. Não percebo como é que alguém, no fim de ter espancado uma pessoa que supostamente confiava nele, ainda vai falar disto sem o mínimo respeito por ela. Na minha terra há uma coisa chamada segredo de justiça, mas nem é por aí que vou, é mesmo porque sujeita a rapariga a outra humilhação.

Tenho vergonha de viver num mundo onde há gente assim. Onde quase se exalta uma cena de pancadaria por um motivo idiota e no fim se remata com um "a violência não é solução" que me pareceu caído ali à força e que provavelmente só apareceu porque afinal de contas há um processo em tribunal. Porque era isso que ele transparecia, um "vêem, eu tenho um processo em tribunal, as coisas não se resolvem à pancada". Nunca disse um "vêem, as pessoas psicóticas e com acessos incontroláveis de raiva acabam por destruir tudo à sua volta, eu sou uma delas e tenho de mudar".

Não, o arrependimento dele não era por ter espancado a namorada, era porque tinha um processo em tribunal. Ele não vai mudar e só espero que não haja uma próxima namorada, porque se calha ser uma das que é espancada e não diz nada a ninguém... nem quero pensar.

Anónimo disse...

A bosta prima original pode ser lida através do cache... Ohhhh!

O que destaco do texto do sujeito é o seguinte: "...E sinto um estalo na cara. E apago!Meia hora depois, "acordo" na sala a fumar um cigarro."
Tanta coisa sobre a criatura e afinal a culpa foi...do apagão. É verdade que durante o blackout deu porrada à ex (ou lá o que era) mas isso não interessa, aliás direi mais é perfeitamente desculpável pois não se lembra de nada. Pode ter sido possuído por uma alma penada Tsss
Pena, pena ela não lhe ter enfiado um tacho ou uma fritadeira bem aviada na focinheira aposto que "acordava" imediatamente. Enfim...
este tipo de apagão é tão conveniente e tão típico de psicopatas.

Alex disse...

Há aí coisas na primeira parte deste post que eram perfeitamente dispensáveis, fica-te tão mal achares-te dona/o da razão. E olha que eu até sou das pessoas que gosta de ti.

Alfinete disse...

Eu ainda li o post original (e juro que pensei que fosse coisa de mera criatividade, afinal não era).

Agora, como que fosse ele quem estivesse a ser injustiçado - ó-coitadinho-de-mim-que-ando-por-aí-á-porrada-e-ninguém-me-percebe - (a quantidade de traços é inversamente proporcional ao carácter da criatura) tornou o blog privado. Realmente, talvez seja melhor assim, e quem ainda o lê deve ter um quociente de bom senso igual ao dele.

Estiveste bem, Pipi.

pipi das meias altas disse...

Alex, filho, explique à Pipi onde ela se acha dona da razão.

mãe pimpolha disse...

Basta ir ao google reader e o post lá continua. Tb gostei da desculpa do apagão.

Anónimo disse...

O texto está em cache e para que não caia no esquecimento:

Confessionário
3 de Setembro de 2010. Estou a chegar de uma viagem a Bruxelas cansativa e a C. vai-me buscar ao aeroporto. Os meus pais não estão, foram viajar.

Quando estamos no carro, a conversa toma um rumo inesperado. Soa a censura, vinda não percebi muito bem de onde. O motivo? Não posso tomar as coisas como garantidas. Não posso esperar que os outros façam tudo por mim. Com o stress, até me engano no caminho e esse engano leva a uma piada que finalmente quebra o gelo. Já na minha casa, tudo está fantástico e as saudades superam tudo.

4 de Setembro de 2010. Estou na cama, deitado ao lado da C., a fazer planos para o dia. É a festa de aniversário do D. e ainda temos que ir às compras. Levantamo-nos para nos irmos despachar e acabamos por tomar um banho romântico os dois. Quando ela sai do banho, apercebo-me de que a minha toalha não está lá, está a ser usada por ela. Peço-lhe para ir buscar outra e a conversa do dia anterior vem ao de cima. Trocas de argumentos levam-me a dizer "Bolas C., a casa é MINHA, está preparada para MIM.". Porque é verdade... A casa é minha. Na casa dela, eu ia aos armários buscar toalhas para mim. Na minha, ela não o podia fazer?

O problema foi ter dito aquilo da casa ser minha. Isto levou a uma discussão grave. A discussão grave levou a falarmos mais alto do que devíamos. Isto deixa a C. transtornada e nervosa e nessa altura, ela começa como sempre a interromper-me, coisa que detesto que me façam. Quando lhe peço (mando?) para se calar (aos gritos?) é pior a emenda que o soneto. Aí ela não se cala. Diz o que quer e o que não quer. O que deve e o que não deve. E eu vou tentar acalmá-la. E tento pegar-lhe nos braços. E sinto um estalo na cara. E apago!

Meia hora depois, "acordo" na sala a fumar um cigarro. Ela não está em casa. Telefono-lhe. A relação acabou. Meses depois, conta-me a história. Peguei nela em peso, atirei-a para cima da cama, pus-me em cima dela e esmurrei-a violentamente. Ficou com um lado da cara inchado e nódoas negras nos ombros e pescoço de a ter agarrado. Eu agredi-a de forma bárbara. Há uma queixa no tribunal por causa disso. E eu estou arrependido de o ter feito.

Os problemas NÃO se resolvem à chapada!

Buttafly...fly...fly... disse...

Epá, mas porque é que eu - que até vejo dúzia e meia de blogs todos os dias - não percebo nada destas trocas baldrocas que vocês contam aqui...? Alguém expliqueeeeee...

;)

biobloga disse...

Anónimo 17:56 - obrigada pelo serviço público! Não tive acesso ao post original, mas tinha percebido que tinha sido grave. Porém, isto mostra que ainda foi pior (não foi um estalo e isso já seria muito MAU).
A criatura nem merece ser designada de animal; se bem que OSTRA até lhe cai bem - animal acéfalo e sem coluna vertebral.

caracois dourados disse...

eu cheguei a ler o post, mas ele não tinha escrito que era fábrica de letras?
Que animal autentico :(

Alexandra disse...

Agora que li o post... Medonho!

Espero que alguém tenha dito à C. que por muito que interrompa, grite, esbraceje, não se cale ou diga coisas que os outros não gostem de ouvir, ela não é saco de pancada.

S* disse...

Contaram-me a história do Sábado e fiquei chocada. Como é possível? É um rapaz novo e parecia bem formado, o que fez é indesculpável e revelador de falta de carácter. Tal como tu, Pipi, ainda fico mais chocada com a desfaçatez de contar tudo no blogue, se calhar achando que lhe iam dar palmadinhas nas costas e dizer "acontece a todos". Não acontece. Só acontece aos cobardes.

S* disse...

Meu deus, depois de ler o texto... meu deus.

M disse...

Graças a quem aqui explicou aquela coisa do cache, encontrei essa maravilhosa prosa... É muito triste, porque além de bruto, o tipo é estúpido o suficiente para achar que o episódio tem recorte literário... parece-me um caso clássico de agressor com pena de si mesmo, a achar que é o maior porque se arrependeu, ou diz que se arrependeu.

PS - para quem se apagou tem boa memória das marcas que deixou e de como as fez.

L.H. disse...

Hum?
Estou a leste...

Anónimo disse...

Eu por acaso acho de pessimo mau gosto q tenhas criado um blog para gozar com o dos outros. Melhor ou pior a escrita é quase terapeutica e um direito de cada um. Quando se cria um blog é para ser algo 100% nosso, e se tu tens um para criticar o dos outros... Acho q devias ter mais respeito. Quando surgiste na blogsfera eu lia-te todos os dias, achava-te graça, era um blog 'diferente'. Mas agr tens-me desiludido imenso porque estás a ir por um caminho completamente desnecessário. Talvez um dia entendas que cada um é como é e não devemos julgar ninguem :) e que acina de tudo, a escrita é uma arte e se deve contribuir para a sua melhoria e não para a sua banalização, que é o que tu fazes.

Alice disse...

Não é o caso. este tipo, merece um enxovalho.