quinta-feira, 14 de abril de 2011

Um dia na vida da Senhora do auto-suicidio

Acordei hás 11h com o barulho do crocodilo que tinha debaixo da cama. Ainda ia a tempo da 4ª aula da manhã. Boa!
Fui tomar banho, tinha o monstro de loch ness há minha espera na banheira. Meti a fita no cabelo, fotografei-me e desci para tomar o pequeno almoço. Há mesa estava a minha mãe com o monstro das bolachas. Despachei-me porque já estava farta de os ouvir.

Enquanto descia no elevador, cruzei-me com a minha vizinha, a Dona Alzira. Ela, com a roupa manchada de sangue, uma faca na mão direita e uma granada na mão esquerda. Nada de especial, portanto. Cumprimentou-me, eu mostrei-lhe uma gif minha com um pirete. Dei um jeitinho à fita do cabelo e saí para a rua. Há minha espera estava o autocarro, apinhado de gente feia, mal-humorada e com péssimo gosto musical. Isto só a mim - pensei eu.

Cheguei hás aulas, vi que um colega meu mostrava uma música a um tipo que tinha 3 olhos e 6 dedos em cada mão. Morram todos - pensei eu. Cheguei ao pé deles e eles nem me deixaram falar... Desataram logo a fugir para o telhado. Endireitei ha fita do cabelo, fotografei-me e fui ter com eles. Perguntei-lhes: o que vão fazer? Vamos-nos auto-suicidar, responderam. Esperem, supliquei-lhes, deixem-me fazer um desenho deste momento, mas foi em vão. Atiraram-se na mesma.

De regresso ha casa decido que vou ver um filme. Svadba, foi ha minha escolha. É um filme russo. Não consegui fazer download de legendas porque o Tarzan - o meu vizinho de cima -andou ha treinar e derrubou os postes que sustentavam os meus cabos. Resultado, não percebi nada, por isso o filme é mau.

São horas de ir dormir, tenho que ir descansar porque amanhã tenho 33 exames. Vou só acabar estas 123 gifs e já vou.

Última fotografia do dia.

Só mais uma, vá...

Agora sim.



daqui

8 comentários:

Anónimo disse...

Através do teu blog tenho-me divertido imensamente, por um lado, porque gosto da tua escrita, divertida e acutilante q.b., sem intenção de ferir maliciosamente, por outro lado tenho-me deparado com enorme desgosto que há muito mais gente acéfala por essa blogosfera fora do que eu pensava.


:)

Anónimo disse...

"À" minha espera.

provocação disse...

Ela tem coisas com muita piada, tem um jeitinho distorcido muito engraçado daí que sempre achei que era quase impossível "pegar no pé" dela com graça. Enganei-me :)

j. disse...

ufa! fiquei cansada só de ler....

Anónimo disse...

G E N I A L! Ri que nem uma perdida :)))

Anónimo disse...

Adoro sarcasmo. Gosto d eme rir de mim e dos outros. É saudável rir de nós mesmos.

Tens, de facto, jeito para parodiar. Ao contrário do que se pensa não tem nada de mal. Não tenho blogue, mas caso tivesse adoraria ver aqui 1 paródia minha.

Portugal precisa de rir e as pessos precisam soltar-se +. Até parece que não somos do Mediterrâneo!

=)
Beatriz

provocação disse...

(juro que pensei que não ia haver correcções ao "à/há", consigo ser uma bimba crédula)

Julie D´aiglemont disse...

Concordo com a Provocação: a Miss Murder é tão auto-crítica e leva-se tão pouco a sério, que pensei ser impossível caricaturizá-la. Enganei-me! Este texto é genial e aposto que a Miss Murder também achou piada.