terça-feira, 8 de março de 2011

A todas as mulheres


Lembrem-se que é maravilhoso ser mulher:

* Uma em cada três mulheres será violada, agredida, forçada a ter sexo ou violentada de qualquer outro modo durante a sua vida.
* Para mulheres entre os 16 e 44 anos, a violência é a principal causa de morte e incapacidade.
*  Em todo o mundo, as jovens têm uma probabilidade 1,6 vezes maior do que os jovens de serem seropositivas
* Muitas mulheres afirmam que a sua primeira experiência sexual não foi consensual (24% no Peru rural, 28% na Tanzânia, 30% no Bangladesh rural, and 40% na África do Sul).
* Entre 4 e 12% das mulheres são abusadas fisicamente durante a gravidez.
* Todos os anos, cerca de 5000 mulheres são assassinadas por membros da família em nome da honra.
* O tráfico de mulheres e raparigas para trabalhos forçados e prostituição está espalhado globalmente, afectando as mais vulneráveis.
* Os casamentos forçados e casamentos na infância são práticas correntes em muitos países da Ásia, Médio-Oriente e África sub-sariana.
* Globalmente, entre uma em cada cinco mulheres foram abusadas sexualmente enquanto crianças.
* Em todo o mundo, as mulheres recebem menos 17% e têm menos segurança no emprego do que os homens
* Em muitos países islâmicos, as mulheres podem levar chibatadas por usar soutiens considerados inapropriados, ou ser apedrejadas em público
* Entre 100 e 140 milhões de mulheres foram sujeitas a mutilação genital.
* Em países hindus, ainda se pratica a imolação pelo fogo das viúvas nas piras funerárias, estimando-se que cerca de 3000 mulheres sejam queimadas vivas todos os anos.

Por estas e muitas outras razões

Um excelente dia, aproveitem ao máximo e tentem não ser exploradas, violadas, e mutiladas de todas as maneiras imagináveis!

28 comentários:

Piston disse...

Falta referir que fazendo uso apenas do decote conseguem controlar o mundo.

pipi das meias altas disse...

Sim, se não forem forçadas a andar de burka.

Anónimo disse...

OMFG, I so love you

Simplesmente Maria disse...

Excelente post de resposta a futilidades.

Além disso, os pontapés na gramática até doem...mas haja alegria porque

" podemos chorar em público sem nos sentir-mos mal ou ser-mos vistas como pieguinhas."(sic)

Piston disse...

São apenas alguns milhões nessas condições. Nada de especial.

Teresa disse...

A ver se encontro a fantástica imagem a que chamei "encontro em Bagdad".
Falando sério, grande post, Pipi!
Não há pachorra para rodriguinhos, esta é a realidade global. Já foi pior, bem sei, mas falta tanto caminho!

Alexandra disse...

Acabei de ver o "viasado". Nojo.

Raquel Fernandes disse...

Independentemente de ser sátira a outro post ou não, este é provavemente o que de melhor li sobre o dia da mulher. Parabéns!

Alexandra disse...

Visado...

Leonor disse...

É curioso encontrar um dos mais brilhantes apontamentos sobre o 8 de março naquele que algumas mentes mais teimosas consideram um blog que existe enquanto veículo de ódio (não é por utilizarem a expressão inglesa que deixam de classificá-lo assim).
E mais, este texto, ao contrário de quase todos os que aqui tenho lido, não me suscitou gargalhadas, não me fez sorrir, nem sequer me levou a franzir as sobrancelhas de espanto.
Este texto, com a respectiva foto, teve um efeito de um murro no estômago, cujo desconforo agradeço, tal como agradeço os sorrisos.
Talvez agora algumas pessoas comecem a ver que a lucidez aqui presente é uma qualidade a aplaudir e saudar. Como reflexo da inteligência que sempre foi, aparecendo na forma de sátira e, bem mais raramente, de grito - li este post como um grito e não só como "charge" ao artigo citado, que mais não é do que um conjunto de lugares-comuns com que costumamos ser presenteadas neste dia.

Anónimo disse...

A cara desta mulher tem cancro,nunca esquecerei a imagem de uma pessoa exactamente igual,comida do cancro.
Uma imagem que nunca esquecerei.
Bom post vale todo o blogue.
Infelizmente ainda há muito atraso no mundo.

Petra Pink disse...

Excelente post... E sim também abordei estes assuntos no post que fiz.
Porque falar do dia da mulher recorrendo apenas a vestidos saltos altos e uma maquilhagem por ser o nosso dia...
Seria no mínimo estúpido e reducionista.
amei o que escreveste.

I. disse...

E é por isto que ainda faz sentido haver um dia dedicado, enquanto em tanto mundo ser mulher equivaler a ser menor. Falta muito, menos que ontem, mais que amanhã, mas tenho esperança que um dia não seja necessário dedicar um dia para se pensar nesta realidade.

Tralha do Melhor! disse...

Este, sem duvida o melhor Blogue que conheço. Acima de tudo pela inteligência, de quem o faz. Sigo-o desde o inicio, e ainda não me senti enganada com as perspectivas, colocadas por mim desde sempre neste blogue. Parabéns pipi, o mundo da blogosfera precisa de gente que pense, que tenha opinião diferente. Embora continue a pensar que este blogue é feito por um homem. ehehehehh

Alexandra disse...

Cancro? Valha-nos a santa ignorância...

pipi das meias altas disse...

Ao anónimo ali de cima

Esta mulher não tem cancro. Esta mulher, Bibi Aisha, foi prometida em casamente a um Taliban aos 12 anos, casou aos 14, e aos 18 fugiu para casa da família por não aguentar os maus tratos a que era sujeita. Quando foi apanhada, como castigo, o marido cortou-lhe o nariz e as orelhas, e abandonou-a nas montanhas, para a deixar morrer.
Conseguiu arrastar-se até casa do avô, e foi socorrida por uma organização humanitária, que lhe proporcionou assistência médica e a levou para os estados unidos para receber uma prótese e tentar reconstrução facial.
Só mais um exemplo de violência contra as mulheres, que é do que trata este dia.

Anónimo disse...

Tens razão Pipi,também ouvi essa noticia,não pensei que era ela,mas a imagem de uma pessoa próxima comida com o cancro veio logo a minha ideia.
Deves fazer post sérios como este.

provocação disse...

Cancro, essa nova espécie de crocodilo que "come" pessoas.

Realmente não há nada como se parar para pensar em prolongar ou moderar expressões que são de mau gosto e falta de delicadeza.

Da França disse...

Porquê falta de delicadeza?
Eu tive um cancro maligno em 1995 e falo do real,sim,é como um crocodilo tens razão Provocação,mas não me impede de falar no que vi,no que sofri,na quimioterapia,na radioterapia,na queda do cabelo,infelizmente todos estamos sujeitos,o médico disse-me que todos temos essas células,ou se desenvolvem ou não,não compreendo porque está tão escandalizada de se falar em cancro
sou eu o anónimo de cima,que vi alguém vizinho muito próximo morrer com a cara assim,mas a Pipi lembrou-me da mulher que foi violentada e logo me veio à ideia desse caso.
Provocação,eu sou a prova que há esperança nessa doença,não é uma doença que se pegue,não é uma doença vergonhosa,é uma doença que infelizmente muitas vezes nem estamos ao corrente que a temos.
Graças a Deus estou curada,ainda há pouco fiz todos os exames e não há nada de mal.
Peço à Pipi que me desculpe de introduzir um tema diferente daquele que se estava a comentar.

pipi das meias altas disse...

Cara da França

creio que toda a gente já viu de perto um cancro, pelo que não está em causa o valor de quem sobrevive, ou o sofrimento de quem não. A forma como cada um se refere à doença, é uma questão de sensibilidade pessoal, ponto.

De resto, é um tema que não tem absolutamente nada a ver com o dia da Mulher, e a razão da existência do mesmo, que é do que trata o post em questão.

provocação disse...

Não é disso que estou a falar. Vamos lá a esclarecer uma coisa, eu tb tive familiar com cancro no rosto daí que não estou a criar tabu nenhum com a questão. O que estou a dizer é que certas expressões que se usam tipo "o bicho" "está comida pelo cancro" são constrangedoras para pessoas que estejam a passar pela doença e que de toda a maneira são também quanto a mim deselegantes. Acho que se podia ganhar algum respeito por quem passa pelas situações e não cair em lugares-comuns que são poucochinhos. Já ouviu algum médico dizer "olhe você tem um bicho que o vai deixar todo comidinho"? Não ouviu. É como dizer que alguém está "entrevado" ou "enjeitado" ou que é "aleijadinho" etc. etc.
A sociedade civil deve aprender a respeitar os doentes não os entregando a imprecisões ou a diminuições verbais para os descrever. É o mínimo que se pode pedir. ´
De resto, não estava a falar do sofrimento, não estava a falar dos tratamentos, de nada disso. Estava a falar nos termos utilizados. Só. Que é coisa que cada um pode evoluir sem se queixar do governo, do dinheiro ou do Benfica.

Da França disse...

Tem razão Provocação,só agora vi bem as palavras que escrevi,não era a minha intenção magoar ninguém,apenas fiquei chocada de me lembrar a cara de um vizinho assim. PEÇO DESCULPA.

Teresa disse...

Quando a Alexandra falou em santa ignorância relativamente às pessoas que confundiram a imagem com cancro, a Pipi veio esclarecer.
A notícia, que foi capa da Time, correu mundo. Esta mulher foi vítima de uma selvática mutilação corrente naquelas bandas do mundo, já na antiga Pérsia era um castigo comum: cortar nariz e orelhas. Tal como em alguns países árabes continuam a cortar a mão direita (hoje cirurgicamente) para os culpados de roubo.
A Alexandra queria apenas chamar a atenção para o facto de as pessoas andarem distraídas. A Pipi esclareceu. Mais nada.
Também tenho a minha dose de cancros na família, não é assunto que me apeteça aprofundar.

Cat disse...

Só agora é que vi o original... what da fuck was that??

Maria Papoila disse...

Aquele é oficialmente o blog mais horroroso que já conheci.

Piston disse...

O que é que me está a escapar?

Maria Papoila disse...

Não sei Piston...tudo?

Piston disse...

Parece que sim.